Guia prático – Sobrevivendo ao primeiro mês

  • 1
  • 29 de outubro de 2015

Ser mãe e pai de primeira viagem é complicado. Por isso, elaborei um guia prático para ajudar a sobreviver ao primeiro mês. Que dizem, é o mais complicado. Se é, não sei…porque ainda terei muuuuuitos meses pela frente. Mas para mim foi um mega choque de realidade, a gente se prepara para ter o filho, mas não para ser mãe. Não tem manual, oras.

Dividi o post em 3 momentos: nascimento, alimentação e sono.

Olá, eu sou o Rodrigo e quero uma baleia de verdade de natal.

Olá, eu sou o Rodrigo e quero uma baleia de verdade de natal.

Vamos por partes, como diria Jack. Sabem a máxima “quando nasce um filho, nasce uma mãe e um pai”? Então, real. Eu NUNCA havia trocado uma fralda na vida, nunquinha. Não tenho a menor paciência com crianças, salvo meu afilhado. Mas ele tem um nível de fofura extra hard (vejÃO a foto ao lado, rs). Ou seja, se você não tem a mínima ideia de como será a sua nova vida, fique tranquila…tudo flui naturalmente (mas não sem você se perguntar umas 10 mil vezes o porquê de você ter feito isso, rs). Eu, por exemplo, troquei a primeira fralda da minha vida (que ficou bem torta, mas né…life is not easy) na maternidade e foi OK. O primeiro choro dele foi algo desafiador, afinal, eu não convivi com nenhuma criança por perto por anos…a última tinha sido minha irmã, há longos 22 anos atrás. haha Mas assim, hoje já existem 4 choros identificáveis facilmente: sono (no qual ele mexe as mãos e faz um drama fofo), fome (que é prático, porque acontece de 3 em 3 horas), cólica (as pernas ficam encolhidas e o rosto fica vermelho) e manha (identificável sempre que coloco o Alec no berço, hahaha).

Outro dia encontrei uma mãe de uma menininha no fonoaudiólogo do Alec, a baby dela tinha 15 dias (3 a menos que o Alec) e ela estava tirando tudo de letra. Tinha o sonho da maternidade estampado na cara (não me julguem people, mas eu sempre quis uma família, só que isso não era um sonho…tá mais para realização) e era (pasmem!) enfermeira e trabalhava na área de pediatria. Aí, como comparar? Todas as partes tensas a menina já sabia, até a cara de descansada a guria tinha. COMO? Eu não me aguentei e perguntei de quantas em quantas horas a bebê mamava, ela me respondeu que sempre que ela queria. Ou seja, não tive resposta. Eu sou péssima com surpresas, por isso, esse negócio de mamar quando quiser (sem uma rotina) iria me quebrar as pernas de cara. O Alec mama de 3/3h30m/4h(noite), ou seja, temos a nossa rotina e isso facilitou demais a nossa adaptação. Mas guenta, já entro neste tópico.

Pai_mãe_bebê

Família ê, família á, família.

Bom, voltando ao nascimento… os primeiros 15 dias foram tensos. Se você é tipo eu (que dedicou boa parte da sua vida aos estudos e pensa muito na carreira), bom…talvez o período seja um pouco complicado. Porque passa um filme na cabeça, afinal, você fez uma opção que vai mudar sua vida para sempre e isso my friends é foda. Ajuda demais se você tem ao seu lado um companheiro que seja seu porto-seguro, o meu marido é um cara super família. Sempre que eu inventava uma coisa bem louca, algo do tipo: acho que vou mudar para SP, NY, fazer um intercâmbio, tirar um ano sabático (haha), ele me lembrava que somos uma família e isso traz responsabilidades. Lindas responsabilidades, no caso. Então, quando eu estava freaking out nos primeiros quinze dias eu me lembrava que fizemos uma escolha, a de sermos uma família. E isso, bom…facilitou demais e hoje eu penso que foi a melhor escolha que eu poderia ter feito. Soei piegas?! hahaha Bom, às vezes eu tenho um lado meio #mimimi. Mas poucos conhecem! hahaha

Então, eu resumiria o “nascimento” em uma palavra: ADAPTAÇÃO.

A alimentação podemos dividir em duas partes: a minha (mami) e a do Alec (amamentação). A minha no momento: só restringi o café a uma xícara dia e eliminei o chocolate (CHORANDO), pois de acordo com uma leitora (obrigadaaaa) que é nutricionista, não tem nada haver a alimentação da mamãe com as cólicas. Mas como depois minha dieta vai mudar totalmente com o foco fitness (afinal, o nome do blog é Mundo Mãe Fit…oras) já estou me preparando. Uma hora tem que começar, certo? Mas pelo jeito, só no terceiro mês. Estou aguardando a liberação do médico para procurar um nutricionista e iniciar a nova rotina de exercícios.

amamentação

O momento mais fofo do dia.

Sobre a amamentação do baby, só leite materno como manda o figurino. E sim, muitas vezes você mamãe vai ir aos céus e voltar em uma sugada errada que seu filho der. Welcome to my world! haha E tem mais uma vantagem: onde vocês forem a comida vai junto e é de graça.

Uma palavra que resuma a alimentação: DEDICAÇÃO.

E agora o super final, o sono. Bem, prepare-se para sentir muito sono. Só que a boa notícia é que o seu corpo começará a se adaptar a nova rotina rapidamente, em cerca de 15/20 dias tudo se normaliza. Claro que quando o Alec resolve conversar nas mamadas noturnas eu tenho vontade de jogar ele pela janela (sentido figurado, gente. Relaxem!). Mas até nisso estou ficando craque, quando eu desisto…chamo meu marido e entra a parte do pai em ação.

Mas então, a boa notícia: o sono se adapta. A má notícia: esqueça dormir igual a antes. Se você é daquelas que encosta e dorme (tenho amigas assim…rs), fabulous. Use isso se você tiver condições, mas lembre-se: a louça estará na pia, o baby precisa de roupas limpas, você terá que ir ao mercado…resumindo, a vida não pára.

Resumo: MUDANÇA.

Posso dizer que agora já está bem mais fácil. Ah…Ponto para a rede de shoppings center Almeida Junior que têm esses espaços Família liiiiindos, facilitam demais a nossa vida. Não é merchan, viu gente! É só uma constatação!

Beijos, Ká.

Join the discussion 2 Comentários

Deixe uma resposta

Pin It on Pinterest

Compartilhe =D